Por um propósito maior…

Por um propósito maior decidimos escrever-vos em uníssono.

Por algo maior, que nos transcenda, que seja mais do que a soma das partes desta realidade comezinha na qual vamos deambulando no passar das horas, no correr dos dias e que ultrapasse o nosso querer, que seja um monopólo magnético que nos direcione por Amor num caminho sem retorno até ao centro do Ser Humano.

Esta rúbrica surge após muito trabalho de autoconhecimento e de pesquisa conjunta para apresentarmos um sistema que integre ferramentas de desenvolvimento pessoal, nas quais se inclui a alimentação, não só na escolha dos alimentos mas em tudo o que a palavra alimentação engloba, como forma integrada de apoio holístico ao indivíduo.

Durante este processo de conhecimento mútuo para o nosso trabalho em conjunto, identificámos um medo, que em certo período das nossas vidas tivemos em comum: viver sem um propósito.

Quem nunca teve esta sensação da falta de propósito? É uma sensação que se manifesta sob a forma de vazio, de falta de algo. Outras vezes essa sensação vem como uma angústia que de tão forte que é nos paralisa, nos cristaliza.

Consciente ou inconscientemente, o medo mais profundo do Ser Humano é este medo indirecto da morte, medo este que aprimora os instintos e leva a querer sermos cada vez mais autênticos.

E o principal propósito a nível físico é manter a saúde pelo maior período de tempo possível, o que nos leva à Evolução. Tudo isto causa pressão positiva para sermos quem somos na verdadeira natureza e não permitindo que a mente se agarre ao medo e este se torne um bloqueio.

Quando vivemos com a aceitação dos nossos medos, da nossa morte, é que conseguimos ir ao mais profundo de nós mesmos.

No nosso caso, esta sensação de falta de algo e com a descoberta da nossa verdadeira natureza, mudou o rumo das nossas vidas.

Viver o propósito de vida é uma tarefa árdua. Exige trabalho, entrega, verdade, foco. Exige aquilo que normalmente evitamos enquanto seres humanos: decidir. Essas decisões para serem corretamente tomadas obrigam-nos por sua vez assumirmo-nos perante os outros como somos, sem reservas. Exige também que façamos aquilo que nos é mais difícil trabalhar: o desapego.

Hoje sabemos qual é o nosso propósito conjunto: ajudar cada Ser a cuidar os dois grandes pilares da vida, que são a essência e o corpo.

O corpo é o nosso templo!

Se não amarmos o nosso corpo através do real cuidar dele, toda a energia vital se perde e o sumo da vida desaparece. Quando este cuidar vai muito além do aspeto exterior, vamos à mais profunda consciência de que sem este templo o Deus em nós não vive.

O cuidar do corpo é algo extremamente complexo porque exige tratar cada célula com respeito pelo seu núcleo o que, por sua vez, exige um complexo trabalho de identificação de tudo o que nutre ou intoxica essa célula. Este nutrir ou intoxicar vem não só do alimento mas também das emoções e de todo um complexo equilíbrio entre tudo o que somos, fazemos, respiramos…. E isto exige trabalho, entrega, desapego…

Quando o Ser Humano encontra o equilíbrio entre corpo e o Ser é que a Vida acontece!

Com Amor, Nós.
Idalina e Pedro

Idalina Fernandes

As pessoas e as relações humanas sempre me fascinaram. Esse gosto fez-me aceitar o convite para iniciar o estudo do Human Design. Com estes textos, pretendo mostrar quem sou e passar o que é importante para se viver de forma plena. E, com isso, mostrar que o caminho é um só: a verdade de cada Ser.

Deixe um comentário